Temas

6.04.2013

CURATIVOS HEMOSTÁTICOS (parte I)

CURATIVOS HEMOSTÁTICOS A BASE DE QUITOSANA (HEMO-BAND, HEMCON)


CARACTERÍSTICAS:

  • Adere-se firmemente ao local de aplicação.
  • Forma um coágulo não oclusivo forte e durável
  • Impede futuros sangramentos e evita a ação de agentes infecciosos externos.

INDICAÇÕES:

  • Tratamento externo para ativar a homeostase e prevenir sangramentos
  • Rápido controle de sangramentos em pacientes submetidos a hemodiálise
  • Pacientes com danos arteriais com alto risco de sangramentos
  • Projetado para usos em emergências médicas e pré-hospital.

PROPRIEDADES:

  • Rápido controle externo de hemorragias moderadas e severas.
  • Seguro e durável.
  • Leve e de fácil manuseio.
  • Pode ser armazenado por longos períodos, sob variadas temperaturas.
  • Não contém proteínas humanas ou fatores coagulantes.


Descrição

A Quitosana Hemostática Microfibrilar é um agente hemostático tópico absorvível preparado como um sal seco, estéril, fibroso, insolúvel em água, solúvel em ácido acético e clorídrico, na forma de bandagens ativas, obtido de Quitosana purificada e colágeno.

A Quitosana é um biopolímero linear catiônico (carregado positivamente), obtido a partir de carapaças de crustáceos.

Desde a década de 50, os policátions (polímeros catiônicos) são conhecidos por sua habilidade de se ligar as células vermelhas do sangue e estão relacionados a efeitos hemostáticos. Muitos estudos mostram que os policátions são agentes aglutinantes celulares efetivos. A Quitosana, pelo fato de ser um policátion, tem sido considerada um agente hemostático, o que tem sido comprovado por diversos estudos. A aglutinação das células vermelhas por policátions depende da estrutura e do peso molecular dos policátions. Entre os diversos policátions testados, a Quitosana foi o único policátion que mostrou capacidade efetiva para iniciar a formação de gel em sangue heparinizado.

As bandagens são preparadas sob a forma de fibras frouxas compactadas e em forma de tecido não entrelaçado. Na sua fabricação, utiliza-se colágeno que auxilia na maleabilidade e possui ação hemostática complementar. A esterilização por calor seco causa algumas ligações cruzadas as quais são evidenciadas pela redução das propriedades  hidratantes e a diminuição do peso molecular o  que implica em degradação de algumas moléculas de colágeno. No entanto, são preservadas as características do colágeno que são essenciais para o seu efeito sobre o mecanismo de  coagulação sanguínea.

A atividade hemostática da Quitosana foi inicialmente relatada por Malette e Quigley. Pouco tempo depois, Olsen e colaboradores, completaram os estudos pré-clínicos de segurança e eficácia de vários sais de Quitosana utilizando rígidos parâmetros médicos e também através de elegantes experimentos nos quais foram definidos os possíveis mecanismos para a formação dos coágulos. Baseado neste trabalho acredita-se que a interação iônica entre a cadeia polimérica carregada positivamente da Quitosana e as membranas celulares, carregadas negativamente, das células vermelhas do sangue seja responsável pela formação do coágulo. Esse mecanismo pode operar independentemente da cascata de eventos que ocorre na coagulação normal, a qual resulta na formação da fibrina. Desta forma, a Quitosana pode formar um coágulo sanguíneo estável na ausência de fibrina. Experimentos in vitro mostraram que o tratamento do sangue com heparina, que inibe a formação da fibrina, forma coágulos estáveis na presença de soluções de sais de Quitosana. A adição de sais de Quitosana na forma sólida não causam efeitos em sangue heparinizado sob as mesmas condições. A observação do fato  de que coágulos estáveis podem ser formados com soluções de sais de Quitosana em sangue heparinizado gera um acentuado interesse na possibilidade da utilização da Quitosana como um agente hemostático clínico.

Uma vez que, agentes hemostáticos comercialmente disponíveis dependem principalmente da formação de fibrina, a quiTosana oferece uma oportunidade de se disponibilizar um produto realmente diferenciado. Um agente hemostático que funcione de forma independente ou dentro da cascata de eventos do processo normal de coagulação sanguínea pode ser muito útil nos casos em que a formação da fibrina foi farmaceuticamente inibida (por heparina ou terapia anticoagulante) ou em alguns casos, devido a doenças que afetem o processo normal de coagulação.

         A biocompatibilidade de Quitosana, por administração oral, foi avaliada em animais. Além de não ser tóxica e ser biocompatível e biodegradável, a Quitosana é também citada na literatura científica como possuindo atividade hemostática e propriedades antimicrobianas, antifúngicas e outras propriedades biomédicas desejáveis

Ações:

O curativo de Quitosana em contacto com a superfície sangrante, acopla-se as plaquetas as quais se aderem às moléculas de Quitosana e iniciam assim o fenômeno de agregação das plaquetas no trombo dentro do interstício da massa fibrosa. In vitro, o efeito da heparina  sobre a adesão e a  agregação  plaquetária é inibido.

O produto adere-se de forma tenaz às superfícies molhadas de sangue mas o excesso do material não utilizado pelo coágulo deve ser removido e costuma não reiniciar o sangramento. Estudos em humanos e animais demonstrou que o colágeno estimula a resposta celular inflamatória crônica. Quando implantado em tecido animal é absorvido em aproximadamente 84 dias. Em estudos sobre hemostasia em osteotomias de seres humanos foi demonstrado que o colágeno não interfere com a regeneração e a consolidação ósseas.


Indicações: 

É utilizado em procedimentos cirúrgicos como um coadjuvante da hemostasia, quando o controle do sangramento por ligadura ou outros procedimentos convencionais são ineficazes ou impraticáveis.

Dosagem e Administração

Deve ser aplicado diretamente sobre o local do sangramento. Devido à sua adesividade, forma-se uma superfície selante sobre o local da hemorragia. As superfícies a serem tratadas devem ser comprimidas com compressas secas imediatamente antes da aplicação do QMH seco. É necessário, então que se aplique pressão manual sobre o QMH, com compressas secas por um período de tempo que variará de acordo com a intensidade e severidade do sangramento.

Validade

Em geral 3 anos de validade (estando integra a embalagem).

Custo Médio

De R$ 100,00 (5 x5 cm) à R$ 300,00 (10x10 cm) - variando de acordo com o tipo de importação.


Modo de Utilização




O HemCon Bandage PRO é um curativo hemostático para o controle temporário externo de feridas sangrando severamente, destinado para uso de emergência.
HemCon ® Bandage PRO é simples de usar, mas os pontos-chave devem ser seguidos para o curativo ser mais eficaz.

1. Abra o curativo.

   Segure as extremidades opostas da bolsa de alumínio e separe.
   À medida que o pacote é aberto, aperte o curativo contra a parte de trás da bolsa de alumínio com o polegar para que o curativo não cair no chão.

2. Certifique-se de que o lado non-stick está para cima.
    HemCon Bandage PRO tem dois lados: um creme 
    lado ativo, que vai na ferida, e um mais escuro lado antiaderente que é rotulado de "ESTE LADO PARA CIMA". 

curativo não irá funcionar de cabeça para baixo.

3. Aplicar diretamente na fonte do sangramento.
    É necessário colocar a ligadura sobre a fonte do sangramento, a área onde os danos nos vasos sanguíneos realmente ocorreu. Para feridas menores, a ligadura pode 
    ser cortado em pedaços mais pequenos. Para feridas maiores, várias ligaduras podem ser usadas.

4. Aplique pressão até que o sangramento seja controlado.
    Aplicar pressão firme e uniforme para o lado rotulado  "ESTE LADO PARA CIMA". Faça um curativo externo com gaze e atadura ou bandagem. Manter a pressão sobre o curativo até o sangramento ser controlado.
O curativo pode permanecer no local por até 48 horas e deve ser removido com água ou soro fisiológico.

4 comentários:

Maya Loureiro disse...

Olá,

Como posso conseguir esse curativo?

Fernando Thiago W. Koller disse...

Muito obrigado pelas orientações.

Unknown disse...

Muito bom, muito bem.

Andre Almeida disse...

Muito bom, muito bem.